Vento leve (poemas)

Livro - Vento Leve (Poemas) - Márcia CarranoVento leve (poemas). Juiz de Fora: Editar, 2007.

Poemas soltos, destacáveis, pequena amostra de produção poética ainda inédita. O livro tem formato e concepção originais. A professora e doutora Rosa Gens, do Departamento de Literatura Brasileira da Universidade Federal do Rio de Janeiro, apresenta-o, com propriedade, em seu Palavras no vento, de Márcia Carrano.

Palavras no vento
, de Márcia Carrano.

Essência de poesia. Com esse centro o leitor irá se deparar ao iniciar a leitura da obra Vento Leve, de Márcia Carrano. Pois a autora articula a linguagem com sombras, nuances e jeitos que ultrapassam a superfície e atingem espaços inusitados do pensar. As palavras flutuam, movem-se, redemoinham e nunca se aquietam. São palavras que pairam, seduzem, inquietam. Oferecem o sumo do poético, através de uma dicção precisa, delineada já no poema de abertura (“tudo é letra e livro / em minha alma // até este caco de vida / no chão da sala.”).

No desvendar das páginas, o leitor passa os olhos e a mente se detém nos instantes poéticos, breves na apresentação e duradouros pela reflexão. A brevidade aponta para uma condensação de sentido, em que estão presentes notas do cotidiano, apontamentos de vida, em dias que passam limpos, e são ajeitados; em que a morte passa noturna; em que aparecem o IPTU e moedas. Imagens semeadas no vento, que se formam com o deslocamento do concreto e o abstrato, o cotidiano e o além de. Trata-se de concretudes que encaminham a outros sentidos, habilmente potencializados.

A proposta da autora é direta; no entanto, deixa entrever outras paragens, e nos sentimos impulsionados pelo vento que nos leva a diferentes indagações. Os temas são muitos, reunidos na vida e pelos truques de palavras. No entanto, há motivos recorrentes, que se transformam em eixo do poetar. Como exemplo, a busca de um saber, que pode ser apontada em vários dos textos. Outro dos temas é a articulação da escrita sobre a escrita, deixando pulsar a consciência, no discurso lúdico e lógico sobre a poesia. E a transformação do cotidiano em matéria poética, como nos versos “como pego no ar/o salto alto da emoção/disfarçada em rotina banal?”(p.25), que condensam o programa estético da autora no que diz respeito ao corte de uma sentimentalização piegas.

A forma como o livro é apresentado surpreende e encanta. A autora propõe uma leitura desautomatizada, que não caminhe do início ao fim no valor das páginas. Além dessa leitura individualizada, cada um dos poemas pode ser destacado pelo leitor e enviado a quem ele desejar. Trata-se de um leitor que tem a possibilidade de escolher, que se torna, ele também, doador de sentido, e que, provavelmente, irá sobrepor ao poema, cartão endereçado, a sua própria escrita. Pela intenção da autora, os poemas ficarão com o leitor, na memória, ausentes do livro, mas presentes em outras paisagens de doação de sentido.

Porque a poesia é tudo e está em tudo. Como a autora aponta, em sua dedicatória, à maneira de Adélia Prado, pode estar escondida nos recortes do cotidiano que não sabemos (ou podemos) por vezes valorizar. E que têm seu pouso neste Vento leve, de Márcia Carrano, poesia que não se dissolve ao vento, que se torna ventania dos sentidos, vendaval de significados.

Rosa Gens

Onde comprar o livro? - Criarte | Rua Santo Antônio, 990/904 | Centro - Juiz de Fora/MG | 36016-210 | 32. 3218-6666
Recomendar
 
como comprar o livro?
 
 
 
 
 
© Márcia Carrano, 2008. website by Asther ProdutoraWeb